Co-imaginar

September 19, 2016

Antes da Encanteria, de Elena Meirelles, Gabriela Pessoa, Jorge Polo, Lívia de Paiva e Paulo Victor Soares

 

Um rosto nos encara. Logo ele é seguido por outros. Os rostos nos devolvem um olhar. Ser confrontado pela frontalidade da aparição de um rosto nos remete a algo da ordem de um chamado. Mas não se trata de chamar para o já sabido ou já esquadrinhado. Aqui se convoca para a noite e para o mistério. É na noite que os gritos seguem truando no meio do mundo, os corpos convocam forças ancestrais, e um punho cerrado lampeja de modo discreto – não ostensivo, mas firme na sua intensidade. A lua e a fogueira. Qual o tempo que as chamas inauguram, qual a vida por vir na agitação da praça? Antes da Encanteria nos anuncia que não há experiência do presente sem luta, que não há tensão com o vivido sem afirmação das faculdades da imaginação. E acima de tudo, o filme nos mostra que imaginar se faz em companhia. Como se colocar no encontro com o outro, senão produzindo imaginação junto com ele?

 

 

Experimentar a cena de aparição desses corpos é indissociável de todo um extracampo de relações que permite justo a emergência desses mundos imaginados. Dizendo de outro modo: podemos considerar como incrustada nas formas fílmicas a própria tessitura mobilizada para fazer o cinema acontecer, essa trama em rede que se faz no encontro de dois coletivos, o dos realizadores e o dos artistas da cidade de Icó, no interior do Ceará. Osso Osso e Chá das Cinco se colocam juntos aqui, na aventura de inventar modos de ocupar uma cidade. E quando o cinema vem se introduzir nesses processos de experimentação do espaço, ele se faz na íntima contaminação com os movimentos já em curso nas vidas dos filmados. É a experiência toda que se faz no embaralhar das posições e dos registros, a ponto de já não ser importante demarcar mundos, porque é na zona do limiar que somos colocados. É tanto a vida que faz jorrar a cena, quanto a cena que vai incidir diretamente nas formas de vida. Aqui as artimanhas da ficção dizem respeito radicalmente a uma tática de se relacionar com o mundo e de constituir um pouco de possível frente ao que constrange os corpos. Dupla condição de uma ficção do real: ela é o documentário das próprias aventuras de imaginar junto e é também uma espécie de infiltração maquínica de um mundo performado num mundo vivido, na região do indiscernível.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O cinema pode se transformar nessa máquina de produzir agitação, transbordamentos e fábulas. Se há uma mistura de registros a percorrer toda a escritura, isso repercute numa coabitação de tempos e de coreografias. A tonalidade mitológica de alguns gestos convive com a ritualidade cotidiana, que não deixa também de se produzir como cena. O tempo do rito, o tempo do mito. As travessias de Antes da Encanteria nos fazem penetrar um portal do tempo, percorrer o obscuro da noite e sentir o crepitar da chama, fulgurante na sua potência de clarão. A lua nos olha, como nos olham os rostos. Se o tempo dos lampejos dão outras condições para a resistência de todos os dias, é porque estamos aqui, efetivamente, conectados a uma espécie de agência coletiva, não só dos humanos, mas de uma infinidade de forças que nossa vã consciência desconhece. O portal do tempo para o qual somos tragados não nos permite considerar os motivos figurais em jogo como estruturas simbólicas ou metafóricas. Se o tempo do delírio cria relações radicais com o tempo da conversa cotidiana, é porque a alquimia do chá nos mostrou que as nuvens, a terra, as árvores e as chamas formam um heterogêneo caldo que fará advir outra potência sensível para os corpos, postos em outras escalas e proporções com a cidade, metamorfoseados como megazords ou como guerreiras de rostos pintados, telas nas costas, em cavalgada das motocicletas.

 

É como se fosse preciso perceber todo esse conjunto de aparições como uma só pulsação a se espraiar pelo chão de Icó, fazendo tremer o corpo em dança, da mesma forma como as nuvens povoam o céu, enquanto ouvimos a narração de um conto. Pratimba e Queroba surgem pela voz da narradora, como se o ato mesmo de narrar fosse aqui evocado como a gênese de um outro chão e de um outro tempo. É quase como se estivéssemos diante da lenda sobre os ancestrais daqueles que virão, ao mesmo tempo em que esse mito é convocado para o agora, lambendo a cidade de prédios históricos imponentes e de peso opressor sobre os corpos que fazem uso desse espaço. Pratimba e Queroba são, então, como que deslocados da chave da pré-história e da circularidade do mito para a imanência da lambida.

 

A imaginação vem fazer cena no real, intervir nele, se contagiar por ele e torcê-lo. E o real mesmo, por seu lado, poderia adquirir aqui outros sentidos. Há uma realidade concreta na vida que se performa. O real emerge a partir da inscrição de uma presença dos corpos. Ele surge como rasura, rasgo que acende na escuridão a energia do gesto. Seja quando se entoa um canto ou quando se toma uma sopa de dentes, é a marca sensível desses gestos e desses sons que parece anunciar aqui uma forma de presença, uma morada para o olhar se deter por um instante, para o corpo do espectador ser também envolvido na densidade do que acontece. Se as performances têm essa força do real, é porque elas também se inserem no mundo com a potência de variar uma cidade. 

Uma tela, o corpo veste. Arrancada do lugar onde estava guardada, ela vai ser incorporada – incorporar: trazer para o corpo. Talvez não haja testemunho maior que esse para constatar uma questão fundamental: Antes da Encanteria nos faz ver o gesto da criação como parte completamente imbricada ao gesto do viver. O cinema só tem sentido se for modo de constituir relação, de instaurar o espaço da cena como lugar da companhia – entre sujeitos, entre nuvens e fogueiras, entre a lua e o chão. 

Please reload

Featured Posts

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Recent Posts

January 3, 2017

September 19, 2016

September 21, 2015

December 17, 2014

November 13, 2014

Please reload

Archive