Artesão da superfície

October 18, 2013

A dança da realidade (2013), de Alejandro Jodorowsky

 

 

O novo filme de Jodorowsky começa com um menino de peruca correndo e entrando em um circo, a cortina voa e bate na câmera. O plano parece a apresentação não só do filme, mas do próprio cinema do diretor: trata-se de um artista da posta em cena, do espetáculo, mas não o de Hollywood e sim o do picadeiro, ao mesmo tempo que o da viagem e da imersão em outro universo. Um universo que é tratado com toda a pompa e nunca com mais pompa do que o do picadeiro.

 

 

Reluzente pelo efeito, mas modesto no seu modo de produção. Sim, é um filme que custa caro, mas provavelmente bem mais barato do que seu clássico A Montanha Sagrada (isso se ele tiver pagado metade dos figurantes). Independente do orçamento, é o tipo de efeito cênico que distingue o cineasta chileno: seu truque evidencia a própria engrenagem, fazendo crer que se um personagem voasse provavelmente veríamos o fio que suporta o Super-Homem. O encantamento encontra-se aí, por uma certa economia da mise en scène, o que não é apenas uma questão econômica. Trata-se de um modo de produção, mas também de um efeito sensível. Jodorowsky brinca com as superfícies, com as possibilidades de jogo com o sensível, com artificialidade do truque e sua potência dramatúrgica.

 

Uma das cenas mais interessantes de A dança da realidade é justamente aquela em que o Jodorowsky criança tem seus longos cabelos loiros cortados: trata-se de uma peruca, e isso grita aos olhos desde o primeiro plano. Quando o barbeiro apara a primeira madeixa, o menino desata a chorar e o cabelereiro em seguida puxa a peruca de sua cabeça. Desfazer o pacto de encenação? O pacto continua lá, na verdade, o que se constitui, não sem um certo senso de humor, é uma torção nos seus limites, como se dissesse: ei, isso é arte, aqui pode tudo. O mundo continua mágico, mesmo sem realismo ou transparência. Pura opacidade. Tanto é essa sua potência que, cenas em que  se usam efeitos especiais ‘’modernos’’, como a que chove peixe acabam parecendo um tanto afetadas, lembrando a vulgarização dos efeitos digitais comuns no cinema de fantasia norte-americano.

 

 

Quando fui assistir o filme no Festival do Rio não sabia tratar-se de uma biografia. Quando vi o diretor em cena abraçando a criança, não entendi o jogo dramático temporal,  mas o fato daquele personagem-narrador me parecer totalmente alheio a narrativa e nela se intrometer me parecia mais potente do que a carga sentimental que acaba possuindo a cena desse Jodorowsky vovó abraçando sua versão garoto. Jodorowsky me desmente pouco depois quando, em outra sequência, faz uma espécie de dança com o mesmo menino em um momento de desespero de sua infância. Abraço sentimental, torção de tempo proporcionado pela ficção, justamente pelo que ela tem de não realista. Beira a cafonice e como algumas delas não deixa de ter sua plasticidade e carga expressiva. Cafona e chorei. Sou cafona. O que é cafonice?

 

 

Parece-me que o diretor encontra-se justamente nesse abismo entre uma espécie de autoajuda, talvez o que ele chame de psicomagia, e o potencial irruptor e disparador de sentidos de seu jogo de encenação. Um abismo em dança, nem sempre pendendo para um, nem para o outro, mas sendo possível talvez nos dois sentidos.

 

O começo do filme é tão deliciosamente absurdo que me causa especial irritação que logo que a mãe chama o garoto de 'pai' o filme não demore meio minuto para explicar a 'razão esse contra senso. Se essa peculiaridade é irruptora da ordem e de qualquer resquício de cinema naturalista, o império de logos retorna dando uma explicação para o estranho apelido do filho. Felizmente, entretanto, não há justificativa para sua fala cantada e ainda é possível voar, como diria Glória Pires. É a instauração de outros possíveis, papel da arte mais do que representar a realidade. Me deu vontade de ouvir ópera ou de falar cantando também no resto do dia.

Pamela Flores, a soprano que interpreta esse papel e diz todas suas falas em forma de canto operístico é um dos pontos altos da Dança, assim como os dois olhos enormes, digo, o garoto que interpreta o jovem diretor.

 

O cinema de Jodorowsky encontra-se ou desencontra-se nessa encruzilhada entre o simbólico e o absurdo, uma hora amarrando todos os sentidos e em outras constituindo um mundo próprio, outro, que funciona segundo suas próprias leis e não necessariamente representa a realidade. Complica.

 

Em determinado momento, o filme deixa o foco do próprio Jodorowsky para contar a história de transformação de seu pai, de comunista totalitário até sua transformação em pai compreensivo através de uma fantástica e absurda viagem de cunho político, mas que serve basicamente de redenção para o personagem. Um tanto de simbolismo estranho na mais antiga fórmula de contar história. Que dança estranha.

 

 

 

 

 

 

Please reload

Featured Posts

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Recent Posts

January 3, 2017

September 19, 2016

September 21, 2015

December 17, 2014

November 13, 2014

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags
Please reload

Follow Us
  • Facebook Basic Square